A quem pertence o presente?


Numa pequena província no Japão vivia um grande samurai, já idoso, que agora se dedicava a ensinar o zen aos jovens. Apesar de sua idade, existia uma lenda de que o mestre ainda era capaz de derrotar qualquer adversário. 

Certa tarde, um jovem guerreiro conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu por ali. Era famoso por utilizar a técnica da provocação, fazendo com que seu adversário perdesse a calma e agisse com raiva. Ele esperava que seu adversário fizesse o primeiro movimento e, dotado de uma inteligência privilegiada, contra-atacava com velocidade fulminante. O jovem guerreiro jamais havia perdido uma luta. Conhecendo a reputação do samurai, estava ali para derrotá-lo, e aumentar sua própria fama. Todos os estudantes se manifestaram contra a ideia, mas o velho aceitou o desafio.

Foram todos para a praça da cidade, e o jovem começou a insultar o velho samurai. Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou todos os insultos conhecidos, ofendendo inclusive seus ancestrais. Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível, não se abalava com nada. No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o impetuoso guerreiro retirou-se. 

Desapontados pelo fato de que o mestre aceitar tantos insultos e provocações, seus alunos perguntaram: 

- Como o senhor pode suportar tanta indignidade? Por que não usou sua espada, mesmo sabendo que podia perder a luta, ao invés de mostrar-se covarde diante de todos nós?

O mestre então disse:

- Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente? - perguntou o Samurai. 

A quem tentou entregá-lo - respondeu um dos discípulos.

- O mesmo vale para a inveja, a raiva, e os insultos - disse o mestre. Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os trouxe consigo. A sua paz interior depende exclusivamente de você. As pessoas não podem lhe tirar a calma se você não permitir.

CONFIE DESCONFIANDO... DECEPÇÃO PODE VIR DE QUEM NÃO ESPERAMOS!

 Sim, decepção pode vir de quem não esperamos! Eu tenho um coração mole. Desses que apanham, mas não deixam de acreditar. Um coração cap...