quarta-feira, 31 de agosto de 2016

O DIA EM QUE EU MORRI…

Estranho? Nem tanto. Se depois de ler esse texto você achar que ainda está vivo, ótimo!

Caso contrário, é bom repensar se ainda existe algum sopro de vida aí dentro. Vou contar como tudo aconteceu.

A minha primeira parcela de morte aconteceu quando acreditei que existiam vidas mais importantes e preciosas do que a minha. O mais estranho é que eu chamava isso de humildade. Nunca pensei na possibilidade do auto abandono.

Morri mais um pouquinho no dia em que acreditei em vida ideal, estável, segura e confortável.

Passei a não saber lidar com as mudanças. Elas me aterrorizavam.

Depois vieram outras mortes. Recordo-me que comecei a perder gotículas de vida diária, desde que passei a consultar os meus medos ao invés do meu coração. Daí em diante comecei a agonizar mais rápido e a ser possuída por uma sucessão de pequenas mortes.

Morri no dia em que meus lábios disseram, não. Enquanto o meu coração gritava, sim! Morri no dia em que abandonei um projeto pela metade por pura falta de disciplina. Morri no dia em que me entreguei à preguiça. No dia em que decidir ser ignorante, bulímica, cruel, egoísta e desumana comigo mesma. Você pensa que não decide essas coisas? Lamento. Decide sim! Sempre que você troca uma vida saudável por vícios, gulodice, sedentarismo, drogas e alienação intelectual, emocional, espiritual, cultural ou financeira, você está fazendo uma escolha entre viver e morrer.

Morri no dia em que decidi ficar em um relacionamento ruim, apenas para não ficar só. Mais tarde percebi que troquei afeto por comodismo e amor por amargura. Morri outra vez, no dia em que abri mão dos meus sonhos por um suposto amor. Confundi relacionamento com posse e ciúme com zelo.

Morri no dia em que acreditei na crítica de pessoas cruéis. A pior delas? Eu mesma. Morri no dia em que me tornei escrava das minhas indecisões. No dia em que prestei mais atenção às minhas rugas do que aos meus sorrisos. Morri no dia que invejei , fofoquei e difamei. Sequer percebi o quanto havia me tornado uma vampira da felicidade alheia. Morri no dia que acreditei que preço era mais importante do que valor. Morri no dia em que me tornei competitiva e fiquei cega para a beleza da singularidade humana.

Morri no dia em que troquei o hoje pelo amanhã. Quer saber o mais estranho? O amanhã não chegou. Ficou vazio… Sem história, música ou cor. Não morri de causas naturais. Fui assassinada todos os dias. As razões desses abandonos foram uma sucessão de desculpas e equívocos. Mas ainda assim foram decisões.

O mais irônico de tudo isso?
As pessoas que vivem bem não tem medo da morte real.
As que vivem mal é que padecem desse sofrimento, embora já estejam mortas. É dessas que me despeço.

Assinado,

A Coragem.

Fonte do texto: Escrito por Lígia Guerra - via: https://osegredo.com.br/2014/04/o-dia-em-que-eu-morri/

QUANDO ALGUÉM JULGAR SEU CAMINHO, EMPRESTE-LHE SEUS SAPATOS...

“Quando alguém julgar seu caminho, empreste-lhe seus sapatos.” Esta frase carrega em si mais de uma realidade e mais de um conceito que vale a pena considerar. Podemos dizer que todos nós já fomos alvos de julgamentos ou de comentários que nos machucaram ou incomodaram.
Como podemos lidar com essas situações?

Primeiro respirando fundo e tomando certa distância. A coisa mais importante é entender a necessidade que as pessoas sentem em fazer julgamentos. É algo que sempre aconteceu e sempre acontecerá. A segunda etapa é simples, entenda que o que disseram não é condizente. Essas palavras não são você, não te definem … Então empreste seus sapatos para que eles possam ver a verdadeira realidade.

Normalmente, são as pessoas com maior baixa autoestima que emitem mais julgamentos. Quando uma pessoa não aceita incondicionalmente a si mesma, não pode aceitar os outros da mesma forma. É rígida, perfeccionista e julga de forma quase arbitrária.
Por que julgamos os outros?

Ninguém gosta de ser julgado, porque com isso é introduzido um rótulo para nos definir e até mesmo nos condenar. No entanto, uma coisa deve ser deixada clara, “se você não quer ser julgado, evite fazer o mesmo com os outros.”

De acordo com o que os psicólogos nos explicam, todos nós temos um pouco de tendência a classificarmos em categorias muitas das pessoas ao nosso redor. Alguns são imaturos, outros são vagos, outros volúveis e irresponsáveis, ou negativos e inseguros…

E, embora seja bastante possível que acertemos em nossos julgamentos de pessoas com as quais convivemos com frequência, temos de estar conscientes de que esses julgamentos não devem ser feitos tão imediatamente. Antes de nos pronunciarmos, vale a pena “nos colocarmos em seus sapatos” para vermos como essas pessoas se sentem, como reagem, como sofrem, e como se relacionam com o mundo.

Vejamos agora o que geralmente há por trás de uma pessoa acostumada a julgar:

1. Baixa autoestima

Quando uma pessoa tem baixa autoestima, é comum usar julgamentos para se colocar em uma posição de controle a partir da qual se defende e proteger dos outros. Ela julgará os outros como “inseguros” ou “falhos”, porque, na realidade, esta é a forma como ela se sente.

Pessoas com baixa autoestima projetam nos outros suas próprias imperfeições e incertezas. Longe de enxergarem essas qualidades em si, é mais fácil projetá-las sobre os outros. Lhes dá uma sensação de poder.

2. Falta de empatia

É óbvio. Quem julga sem conhecer e com a intenção de fazer o mal não tem empatia. E também não conhece suas necessidades, falhas ou virtudes.

É mais fácil julgar os outros do que fazer uma leitura interna para encontrar-se com a humildade e, por sua vez, oferecer respeito aos demais.

3. Feridas emocionais

Quem foi ferido pode reagir de duas maneiras. A primeira maneira é obter uma compreensão emocional do que aconteceu e agir com resiliência, sendo, por sua vez, mais sábio na gestão de determinadas situações. Neste caso, seriam certamente pessoas mais empáticas, que procuram conhecer e compreender melhor ao invés de julgar.

Por outro lado, temos as pessoas que depois de terem vivido uma situação mais ou menos dolorosa, não lidaram bem com tudo. Elas possuem rancor e ressentimento, algo muito prejudicial, pois julgam os outros e projetam suas amarguras, dores, e “sombras”.

Ao invés de lidarem com situações problemáticas de forma mais aberta, criativa e respeitosa, elas partem de um ponto derrotista, tóxico e nocivo.

Antes de julgar, devemos aceitar a nós mesmos incondicionalmente com nossas falhas e talentos. Quando alguém trabalha em seu perfeccionismo e autoaceitação, a autoestima se eleva, e será percebida na mudança de sua maneira de se relacionar consigo mesmo e com os outros.

Fonte do texto: La mente es maravillosa - Traduzido pela equipe do site O Segredo - Via: https://osegredo.com.br/2015/06/quando-alguem-julgar-seu-caminho-empreste-lhe-seus-sapatos/

terça-feira, 30 de agosto de 2016

PERMANECER COM ALGUÉM POR OBRIGAÇÃO É MORRER UM POUCO A CADA DIA

Sinto uma pontada no peito toda vez que escuto essa palavra: obrigação. Chego até a suspirar. Ela tem uma densidade, uma carga opressora que pesa mais que um elefante. Só o fato de cumprir com uma imposição, seja ela qual for, acaba com o tesão de qualquer um. Mas até aí tudo bem, porque é impossível seguir somente as nossas vontades, fazer só aquilo que nos dá prazer. Então a gente vai levando, exercendo a parte chata da vida. Nos acostumamos a responder mecanicamente às demandas da rotina, dos afazeres, dos compromissos. Normal. Todos nós somos cumpridores dos nossos deveres. Mas quando o assunto é amor, Deus que me livre do dever de amar.
 
Aí você pensa: Como é possível ser obrigado a amar? Não, não deveria ser possível. O amor é o sentimento mais bonito, mais forte e puro que existe. Quando se mistura ele perde a essência e se converte em outras coisas que nada têm a ver com amor. Posse, aprisionamento, carência, dependência, insegurança. Deixa de ser genuíno e grandioso. Se despede da vontade do outro, do prazer da companhia, da paz da saciedade, da segurança emocional.

Quando o amor vai embora parece que ele deixa um clone no lugar. A sua cópia fidedigna, tão semelhante e ao mesmo tempo tão diferente. As pessoas se transformam na sombra do que foram um dia, vão chutando para frente um sentimento lindo de outras épocas pela razão de ter sido especial, mesmo que o presente nada se pareça com o passado. No fundo, elas têm a esperança de que um dia acordem felizes e unidas como em outras épocas. Acreditam que é só uma fase, que a nuvem negra vai passar. Depois se convencem de que o amor já não está mais ali, mas em memória do que ele já foi, permanecem na penumbra da obrigação de amar um ao outro.
 
É tão injusto que dois corações se aturem em um compromisso de estarem juntos. Ficam ali, lado a lado, amargurados, avulsos mas amarrados, porque se prometeram e agora cumprem com a obrigação de uma felicidade forçada. Sem a menor vontade de amar, dizem “eu te amo” inanimados e automáticos, entre abraços frouxos e beijos secos. Vivem na lonjura de um mesmo teto, entre sorrisos contidos e olhares baixos.

Então o exercício de amar se consome no dever chato, cansativo, tedioso. Pessoas unidas pelo compromisso e não pela vontade, alegrias superficiais e frustrações profundas, o sonho de ser feliz como antigamente e a realidade triste da solidão acompanhada. Ao mesmo tempo, a sensação de segurança que o compromisso traz e o medo de sair da zona de conforto para assumir a individualidade.

Já temos tantas obrigações. Que o amor não seja mais uma. Que ele perdure o tempo que for verdadeiro, que seja inteiro. Que estejamos unidos por querer e separados também.

Deus que me livre da incumbência de amar, de ser feliz de mentirinha, da rejeição da minha companhia.

Que o amor não seja obrigação. Que ele perdure o tempo que for verdadeiro, que seja inteiro. Que estejamos unidos por querer e separados também.

Fonte: Escrito por Karen Curi - via: Revista Bula e http://www.sentimentosemfrases.com/permanecer-com-alguem-por-obrigacao-e-morrer-um-pouco-a-cada-dia/

PARA QUE SERVE O PASSADO?

Dizem que passado só serve para ser enterrado. Virar a página. Rasgar, talvez. Passado bom é passado esquecido, apagado, trancafiado no fundo de um baú empoeirado qualquer.

É claro que, se faz sofrer, não merece lugar. Dor foi feita pra ser curada – e o quão rápido for possível – mas a verdade é que não faz o menor sentido apagar completamente as experiências pelas quais você passou, sejam elas quais forem. Enterrar o passado é abrir mão de tudo o que a gente pode aprender: zerar o cronômetro, o contador de experiências, parar o filminho que a gente vai ver uns segundos antes de morrer.Abstrair um passado desagradável é diferente de esquecê-lo para sempre. É que tudo na vida tem dois lados, e há sempre um que se pode aproveitar. Amadurecer é justamente aprender a separá-los: levar na mala o que foi bom e deixar o resto pra trás. Abstrair os sofrimentos inúteis e guardar aqueles que nos fizeram mais fortes.

Pois, no fundo, nós somos feitos da junção de todos os nossos passados – os bons e os ruins. Especialmente os ruins, na verdade. Nós somos os nossos porres, as nossas decepções, os amigos que nos traíram, os amores que nos deixaram, as paixões que nos dilaceraram. Somos os beijos que nos deram, as poesias que nos mostraram, as músicas que nos cantaram. Existimos para sermos acumuladores de experiências – e toda experiência, ainda que, de primeira, nos pareça desagradável, é um verdadeiro presente.

Por isso eu nunca fui de apagar marcas. Tenho um carinho imenso pelas cicatrizes no meu corpo, as marcas de copos na pintura da minha escrivaninha, os arranhões nos meus sapatos, as marcas de tempo que certamente se estamparão na minha cara. Aprecio as minhas dores, as minhas alegrias e os meus dissabores. Respeito cada lágrima que derramei a ponto de jamais esquecê-las.

O passado, na verdade, não foi feito pra ser apagado. Foi feito pra ser congelado quando for conveniente. E amadurecer é justamente sobre congelar aquele passado que machuca até que pare de doer – porque sim, uma hora para. É sobre filtrar as decepções e deixar no peito o que foi bom, o que ensinou, o que fez feliz, o que fez a alma sorrir – e vai continuar fazendo até os seus últimos dias.

Guarda teus prazeres, tuas memórias, tuas marcas de copos na escrivaninha. Guarda tuas histórias, as boas e as ruins – porque todas elas merecem ser contadas. Guarda no peito quem passou pela tua vida e num lugar ainda mais especial quem permaneceu. Guarda tuas alegrias e, sobretudo, guarda tuas marcas: elas são tudo de melhor que a gente tem.

Fonte do texto: Escrito por Nathalí Macedo via: https://osegredo.com.br/2015/07/para-que-serve-o-passado/

OS OLHOS SÃO O REFLEXO DA ALMA…

Por que os olhos dizem tanto sobre nós? 

Que poder se esconde debaixo das nossas pálpebras que nos torna capazes de transmitir confiança, de causar rejeição, de anunciar o nosso humor… Que estranho mecanismo nos torna capazes de, pelo nosso olhar, convencer, seduzir, rejeitar…

Há olhares que apaixonam, que transmitem confiança. Por outro lado, outros são capazes de matar, de provocar profundo desassossego. Há olhos que são ferozes, carregados de ódio. Estes sempre trazem olhares que assustam, que pressagiam com rabo de olho as más intenções. Mas também há olhares sorridentes, cheios de vida. Olhos brilhantes que anunciam aos quatro ventos que estão apaixonados.

Assim, claro, é lógico pensar que essas são pequenas janelas por meio das quais desponta nossa alma e por onde nossos sentimentos voam.

Algumas vezes, são pequenas janelinhas por onde, timidamente, despontam buscando ser correspondidos. Outras vezes, são grandes janelas que projetam tormenta; inclusive, em algumas ocasiões, elas não são mais do que buracos escuros e profundos, vazios. Pequenas fossas que tentam se alimentar do brilho dos outros. Olhos predadores que escutam tentando acalmar a suas ânsias.

Por sorte, se prestar atenção, o mundo está cheio de olhos transbordando vida. Olhos carregados de vontade de viver, ainda que, às vezes, cansados, mas sempre esperançosos. Graças a Deus o mundo está cheio de olhares cheios de ilusão e vontade de ver. Olhos com sede de descobrir magia. 

E agora, antes de finalizar, um conselho: se alguma vez na sua vida encontrar com estes últimos, olhe-os fixamente, com força. Olhe-os querendo alimentar-se da sua essência. Olhe-os como se fosse a última coisa que fosse fazer na sua vida. Faça-o porque estes serão os que vão salvar esse mundo. 

Fonte: A mente é maravilhosa - via: https://osegredo.com.br/2015/04/os-olhos-sao-o-reflexo-da-alma/

10 frases emocionalmente prejudiciais que os pais devem evitar dizer a seus filhos

São coisas que podem destruir a vida de seus filhos! JAMAIS diga isso a eles. E se já disseram, não repitam, por favor!

Você deseja ter filhos emocionalmente saudáveis, que se tornem adultos bem ajustados, cidadãos de bem? Então JAMAIS diga estas coisas a eles:

1. "Você é um preguiçoso!"

Há muito tempo, conheci uma adolescente que costumava ouvir isso de sua mãe desde que ela era pequena. Foi muito chocante ouvir da boca da jovem "Eu sou uma preguiçosa". E ela simplesmente acreditou naquilo e se tornou aquilo. O que você costuma dizer a seus filhos e sobre eles pode definir o que eles se tornarão.

2. "Você puxou ao seu pai/tio/avô!" (quando ele se comporta mal)

Aí está algo cruel e perigoso de se dizer. Se seu filho cometeu um erro e você disser que ele puxou a outro familiar que tem fama de se envolver em problemas, ele crescerá pensando "Bem, eu sou igual a ele mesmo, nem preciso me esforçar para ser melhor. Meu destino está traçado".

Você deve deixar claro que cada pessoa é única e capaz para fazer boas escolhas, seja filha ou descendente de quem for.

3. "Você nunca/sempre...!"

JAMAIS diga coisas como "Você nunca me ajuda", "Você nunca faz nada certo", "Você sempre faz... (algo negativo)". Você não pode anular tudo de bom que seus filhos fizeram por conta de uma atitude ou outra negativa.

Imagine seu chefe lhe dizendo "Você não faz nada certo!" quando você cometeu poucos erros depois de anos de dedicação na empresa. Seria um balde de água fria no seu ânimo, você ficaria revoltado. Pois bem, é exatamente assim que seu filho se sente.

4. "Você deveria ser como seu irmão!"

As comparações causam frustração, induzem ao ciúme e à rivalidade. Se você quiser que seus filhos se deem bem, jamais faça comparações. Se você quiser ter um filho mentalmente saudável, abandone este hábito.

5. "Seria melhor se eu não tivesse tido você!"

Sabe como seu filho poderá entender essa frase? "Seria melhor que você estivesse morto!", "Eu não amo você!", "Você é um problema na minha vida!". Jamais destrua a autoestima e a segurança de seu filho dizendo essa barbaridade!

6. "Seu burro!"

Não coloque em xeque a capacidade intelectual de quem quer que seja, ainda mais de seus rebentos. Somos todos diferentes e nos desenvolvemos em velocidade diferente. Além do mais, não há barreira que não possa ser transposta depois de muita dedicação.

Vou contar algo que me aconteceu quando eu tinha 11 anos. Eu costumava cometer muitos erros de ortografia, erros primários, que muitos na minha idade já não cometiam havia tempo. Naquela época, minha professora de português vivia me chamando de burra. Eu entrava nas aulas dela com o coração na mão e pronta para fracassar. Era angustiante. A minha "sorte" é que meus pais estavam sempre elevando minha autoestima. Para eles eu era esforçada e inteligente. Nem quero pensar o que teria sido da minha vida se meus pais reforçassem as críticas que eu recebia na escola.

Tenho um filho de 15 anos com Síndrome de Down. Ele ainda não é alfabetizado. De vez em quando ele diz "eu não consigo", e eu procuro deixar bem claro que não tem problema de ele não conseguir agora, um dia ele conseguirá. Eu realmente não sei se um dia ele conseguirá ler e escrever sem supervisão. Mas não posso tirar as esperanças dele nem vou deixar de amá-lo por isso. Precisamos amar e aceitar nossos filhos como eles são.

7. "Você é gordo/magro demais!"

Nosso lar dever ser um refúgio e encorajamento para nossos filhos, não de bullying. Se seu filho está com problemas com o peso, em vez de insultá-lo pensando que isso irá ajudá-lo a comer menos ou mais, busque ajuda médica. E comece as mudanças por você mesmo, preparando refeições mais saudáveis, comprando coisas mais saudáveis e se alimentando melhor.

8. "A culpa não é sua!" (quando ele é culpado)

Muitos pais acham que os filhos dos outros são sempre os culpados, nunca os próprios filhos. Se você costuma passar a mão na cabeça ou acobertar os erros de seus filhos, prepare-se para uma alta frequência a delegacias e presídios no futuro.

Seu filho roubou? Faça-o devolver. Ele ofendeu? Faça-o pedir desculpas. Ele quebrou? Faça-o restituir. Ele errou, faça-o assumir. Não há atalho para se criar um filho bom e honesto.

9. "Você é o melhor de todos!"

Até mesmo os elogios têm limites. Se não quiser ter um filho narcisista, antipático, orgulhoso, não o coloque em um pedestal. Ele terá muitos problemas na vida se você fizer isso.

10. "Você merece!"

Poucos anos atrás, li um texto espetacular da jornalista Elaine Brum intitulado "Meu filho, você não merece nada!" Ela faz uma crítica a pais que acham que os filhos "merecem" tudo o que eles não tiveram, que merecem tudo sem o mínimo esforço. Parte do texto diz: "Tenho me deparado com jovens que esperam ter no mercado de trabalho uma continuação de suas casas - onde o chefe seria um pai ou uma mãe complacente, que tudo concede. Foram ensinados a pensar que merecem, seja lá o que for que queiram. E quando isso não acontece - porque obviamente não acontece - sentem-se traídos, revoltam-se com a 'injustiça' e boa parte se emburra e desiste." Nutrir esse tipo de pensamento nos filhos é condená-los ao fracasso.

"As palavras têm a leveza do vento e a força da tempestade" (Victor Hugo). Que possamos usá-las para fortalecer, apoiar, corrigir, guiar e elevar nossos filhos. Boa parte da responsabilidade pelo que eles se tornam recai sobre nós, seus pais. Que possamos fazer um bom trabalho, encarando a parentalidade como um encargo importante e intransferível.

-Erika Strassburger - Fonte: http://www.familia.com.br/10230/filhos/10-frases-emocionalmente-prejudiciais-que-os-pais-devem-evitar-dizer-a-seus-filhos

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

AFASTE-SE DE TUDO QUE O AFASTA DE SI MESMO

Afaste-se daquilo que lhe causa dano, daquilo que escurece sua vida, daquilo que se torna assustador. Afaste-se de tudo aquilo que não tenha remédio, daquilo que está dominando seu bem-estar. Fique longe do que o afasta de si mesmo.

Crie uma distância emocional a dor, da rejeição e da traição, observe-os e aprenda. Administre seus medos, controle seus demônios. Saiba que o sofrimento é opcional. Não maquie sua realidade, viva-a.

Mantenha perto aquilo que o reconforta, que não corre para matar, que não o obriga a perder. Dê oportunidade a um novo estilo de jogo e cuide-se, não se rompa em pedaços, não se obrigue a perder parte de si.

O RASTRO EMOCIONAL DA DOR

Com frequência deixamos que os ponteiros do relógio girem sem interferências enquanto arrancam as folhas de nosso calendário sem pena. Nos desconectamos do mundo, nos afastamos da realidade e deixamos que a vida passe sem pensar nas consequências.

Mas desligar nossa parte consciente da inconsciente tem suas consequências. Não estamos dizendo que temos que hiper-reflexivos, estamos falando de tomar consciência de que aquilo que nos causa dor é necessariamente algo a ser evitado.

O sofrimento não pode se separar da vida, mas de modo constante nos empenhamos em ultrapassar seus limites e tentamos ignorá-lo. A tristeza não é ruim, tampouco são a preocupação e a ira.

Cada um destes sentimentos nos traz um conhecimento. Ou seja, senti-los é necessário caso queiramos sentir prazer. Por isso, caso se trate de evitar algo, o que devemos fazer é não esconder nossas emoções.

SEMPRE EXISTIRÁ ALGO QUE NOS MACHUCARÁ

É impossível viver um vida sem emoções tóxicas nem pessoas que “nos amarguem”. É impossível viver sem algo que nos cause prazer ou gratificação. Por isso devemos ser pensadores justos e a agradecer ao “sofrimento” por tudo aquilo que este nos traz.

Dito de outra forma… Quem nunca pensou que aquela apunhalada pelas costas serviu para amadurecer? Quem não percebeu ainda que hoje é forte porque ontem foi fraco? 

 A vida às vezes dói, às vezes cansa, às vezes fere. Ela não é perfeita, não é coerente, não é fácil, não é eterna, mas apesar de tudo A VIDA É BELA.

No final acaba que nós mesmos alimentamos nosso sofrimento. Isto funciona como o efeito bola de neve. Algo nos machuca, tentamos evitar, causamos mais danos, deixamos acumular, sofremos por não conseguir nos desfazer da dor e, como resultado, obtemos uma grande bola de neve daquilo que começou como um simples copo de água gelada.
Agora veja bem, com essa bola de neve temos a possibilidade de fazer um bonito boneco ou deixar que este nos esmague. Como você pode ver, novamente trata-se de opções, de caminhos, de bifurcações. 

Se simplificarmos cada situação de nossa vida desse modo, obteremos uma chave mestra que abrirá todas aquelas forças que nos permitirão avançar. Basicamente trata-se de expor duas opções: aceitar o caminho ou recusá-lo e sofrer por tentar evitá-lo. 

Se aceitamos, crescemos. Se recusamos, viveremos sempre submetidos ao domínio da esquiva. Se resistimos aceitar o sofrimento e os danos como parte inerente da vida, somente conseguiremos criar angústia.

Se caso contrário aceitamos o sofrimento como natural, nos livraremos da angústia, o que nos permitirá levar a vida sem a grande carga do jogo intenso e constante de esconde-esconde.
Concluindo, não podemos lutar contra nós mesmos, porque caso o
façamos seremos ganhador e perdedor. E morrer para viver não compensa.

Fonte: A mente é maravilhosa -via: http://www.sentimentosemfrases.com/afaste-se-de-tudo-que-o-afasta-de-si-mesmo/

PARA SER GRANDE É PRECISO ESTAR DO LADO DAS PESSOAS E NÃO ACIMA DELAS

Estar ao lado das pessoas e estender uma mão quando os outros precisam é o que realmente nos ajuda a crescer e tornar-nos melhores. Somos nós que gerenciamos nossas próprias bondades e podemos dar ao mundo o nosso sorriso mais lindo. Neste sentido, ser bom é essencial para ser grande.

As pessoas com quem interagimos estão lutando batalhas das quais nada sabemos, então sempre, embora não seja fácil, devemos ser gentis. Por mais estranho que pareça, muitas vezes os pequenos detalhes fazem a diferença.

Não vamos negar, há pessoas que devido aos seus defeitos, complexos ou projeções, dificultam o caminho dos outros e gostam de assistir os seus próximos sendo pisoteados. Isso pode fazer alguém sentir uma sensação enganosa de superioridade.

Enfatizamos o termo “enganosa” porque não é real, embora possa parecer que, por vezes, estão de alguma forma acima. Mas não. Esse sentimento é irreal porque não há nada mais baixo do que ferir os outros ou dificultar sua vida deliberadamente.

“A bondade é o pilar que sustenta a grandeza, por isso que dizemos que ser grande é estar ao lado das pessoas, e não acima.”
Seja gentil com todos, você nunca sabe pelo que estão passando

Não podemos saber o que está acontecendo com aqueles que estão do outro lado de uma conversação ou interação qualquer. Não importa quais sejam suas lutas, não podemos avaliar, nem julgar a sua importância. 

“Acima de tudo está a bondade. Assim como a luz da lua ilumina sessenta vezes mais do que a das estrelas, a benignidade liberta o coração sessenta vezes mais eficazmente do que todas as realizações religiosas juntos.” 

– Buddha Gautama
Boas pessoas são feitas de aço inesquecível

As pessoas boas são feitas de aço inesquecível. Boas ações e mãos estendidas são o melhor investimento, porque trazem bons sentimentos, boas experiências e boas consequências.

“Não devemos negligenciar esta parte de nós que ajuda os outros e que se mantém ao lado de quem está sendo atormentado por uma dificuldade.”

Colecionar motivos, ser sol em dias de escuridão, não ser arrogante e praticar a paciência são atitudes que emolduram a liberdade e prazer em colaboração com os outros.
É também muito positivo proporcionar uma margem de erro para todos, mesmo aqueles que em algum momento nos ofenderam e nos fizeram sentir-nos mal. 

“Procurar ouvir, compreender e nunca acreditar-se superior por ter mais isso ou aquilo, por ser mais feliz, por desfrutar de uma maior estabilidade e ter mais propriedades é essencial para ser grande.” 

Porque, se ainda não está claro, a grandeza não tem nada a ver com superioridade. E no fim de tudo o que faz sentido é dar a outros a oportunidade para serem melhores, mais fortes e evoluídos emocionalmente.
Fonte:https://osegredo.com.br/2016/04/para-ser-grande-e-preciso-estar-ao-lado-das-pessoas-nao-acima-delas/

TODAS AS COISAS TEM DOIS LADOS...

Suponha que lhe aconteça o que me aconteceu.

Recebi da Espanha um chaveiro de metal.

Já era importante por ser um presente.

Percebendo o peso e a cor, conclui sem pestanejar: é de prata!

Feliz da vida, coloquei nele as chaves do meu carro e passei a desfrutar da pequena jóia.

Além do lado liso e brilhante, o outro lado trazia um baixo relevo, que o tornava verdadeira obra de arte.

O prazer com que passei a usá-lo está na origem do que vim a sentir, meses depois.

Certa manhã, fui pegar o chaveiro de prata na garagem do meu prédio.

Sabe, a necessidade de manobras…

E foi então que recebi um choque.

Não havia sido roubado, não! Talvez tenha sido pior.

A parte de trás estava inexplicavelmente descascada!

O amarelo vivo do latão acusava uma decepção.

O desapontamento tomou conta de mim.

Fiquei paralisado por alguns momentos.

Aí olhei o lado da frente.

Estava em ordem.

Tive, então, um estalo.

Olhar o lado descascado me causava desprazer, mas eu podia olhar o da frente e continuar gostando dele.

A escolha era minha.

Eu era responsável por me sentir bem ou me sentir mal.

Já que os dois lados eram reais, seria tão honesto preferir olhar mais um lado do que outro.

Eu não estaria mentindo para mim mesmo, se preferisse olhar o lado bem conservado; e me tornaria responsável por me sentir bem.

Comecei a perceber, então, que todas as coisas da vida têm dois lados.

Um lado sombrio, desagradável, penoso.

E outro claro, luminoso, colorido.

Podia assim escolher, para vantagem minha, o lado que me conservaria sempre no melhor astral.

Por exemplo, o fato de ter furado o pneu do carro, coisa desagradável, é o lado sombrio; mas, pensando bem, isso só acontece com quem tem carro!

É o lado luminoso e colorido do mesmíssimo fato.

Você pode se dar ao luxo de ter de trocar o pneu de seu carro de vez em quando, pois, em contrapartida, ele lhe dá prazer e lhe presta serviço no resto do tempo.

Outro exemplo.

Uma chuva inesperada impede você e sua família de saírem para um piquenique, como haviam planejado.

É o lado sombrio.

Mas, em compensação, você poderá ter tempo em casa, finalmente, para arrumar aquela torneira pingando ou para assistir a um filme no seu vídeo.

Pode ser o lado luminoso.

Ou, ainda, alguém sofre um pequeno acidente ou contrai uma febre, ficando obrigado a ficar de cama.

É o lado sombrio.

O lado luminoso – e quantas vezes acontecido! – pode ser a experiência de repensar a vida; ou a de, finalmente, se dar conta de quanto é estimado e visitado pelos parentes e amigos, apesar de ter tido dúvidas, até então.

Um último exemplo.

Seu patrão lhe chama a atenção com frequência, seus colegas de trabalho costumam ser competitivos e pouco amigos.

É o lado sombrio.

Você não se vai acomodar, é claro.

Vai tomar providências cabíveis para que a situação melhore.

Mas, por outro lado, você tem emprego, o que não é para se minimizar.

Quantos gostariam de ter um!

Você poderia objetar em primeiro lugar: mas, esse não é o jogo da Polyanna?

Não é o mesmo que mentir para si mesmo e fazer de conta, como quem esconde o sol com a peneira?

Desde o início pode ter ficado claro que olhar qualquer dos lados é honesto, e que você é responsável pelo lado que prefere fixar.

Olhando o lado bonito da vida, você não está escondendo nada, apenas está preferindo ser feliz.

Qual é o mal?

Você ainda poderia dizer: mas isso é tão difícil!

Será que alguém consegue pensar assim?

Eu lhe garanto que é possível.

Vamos concordar também que é difícil.

Ora!

O que não é difícil, quando enfrentado pela primeira vez!

Digitar numa máquina de escrever, dirigir um carro, aprender língua estrangeira, escrever corretamente o português, fazer tricô e qualquer outra coisa no mundo.

Entretanto, seja o que for, você consegue dominar, com duas condições: ter a receita correta e treinar com perseverança.

Então, você também pode descobrir o lado colorido e mais real da sua vida.

Nada o impede.

(Autor desconhecido)

sábado, 27 de agosto de 2016

7 COISAS SOBRE AS QUAIS VOCÊ NÃO PRECISA SE ESTRESSAR (MESMO ACHANDO O CONTRÁRIO)

1. O que os outros pensam de você

Muitas vezes, vivemos na prisão do que os outros pensam de nós. Na próxima vez em que você se preocupar com a opinião de outra pessoa sobre você, lembre-se que só a sua opinião verdadeiramente importa. Ninguém pode tirar sua autoconfiança, amor-próprio e autocuidado, por isso certifique-se de trabalhar sobre estas coisas continuamente. O amor acontece dentro, e uma vez que você o cultivou, não vai se sentir tão magoado ou desapontado quando alguém não gostar de você. Você tem que viver consigo mesmo pelo resto de sua vida, por isso, não faria sentido que você só se preocupasse com a sua própria opinião de si mesmo?

Se os outros não gostam de você, então podem sair da sua vida sempre que quiserem, mas você não pode. Pare de se estressar com o que as outras pessoas pensam, e comece a se preocupar com o que você pensa de si mesmo.

2. Quanto dinheiro você tem

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, mais dinheiro não equivale a mais felicidade. Estudos têm demonstrado que o dinheiro faz a diferença quando se trata de viver em uma casa, em vez de ter de viver nas ruas, mas além de nossas necessidades básicas, ter mais dinheiro não nos faz mais felizes. Então, pare de se estressar com quanto dinheiro você tem em sua conta bancária, e comece a cuidar mais de como você vive hoje, e sinta-se grato pelo o que você já tem.

3. Seus erros

Em algum momento, você tem que simplesmente perdoar o passado e seguir em frente. Se prender em experiências passadas não vai mudá-las ou fazer você se sentir melhor sobre as situações. Você tem que lembrar que cada erro permitiu-lhe crescer e aprender, por isso olhe para os seus erros como bênçãos disfarçadas. Pare de culpar-se por seus erros e comece a aceitá-los como experiências de vida vitais que o ajudaram a chegar onde você está agora.

4. Se encaixar

Seguir a multidão quase nunca resulta em verdadeira felicidade. Seguir o seu coração, a sua verdadeira felicidade, e o que você veio fazer aqui, no entanto, certamente te levará a uma estrada melhor.

Se encaixar não significa nada se você não se sentir feliz ao fazê-lo, por isso lembre-se de não tentar parecer de uma determinada maneira para a sociedade, ou pertencer a um grupo. Tudo o que importa é você se sentir realizado por qualquer caminho que escolher na vida.

5. Ser fisicamente “perfeito”

O corpo perfeito não existe, então pare de tentar moldar o seu naquilo que a sociedade lhe diz que deve ser. Todos nós temos aparências físicas únicas, e apesar de você poder sempre tentar melhorar a sua aptidão física, isso deve ter mais a ver com a sua saúde, em vez de sua aparência. Ignore a imagem da mídia de massa do que significa ter um corpo perfeito, e comece a aceitar a si mesmo como você está agora.

6. Agradar os outros

Bajular os outros pode te proporcionar alguns amigos, mas não amigos de verdade. Quando você se molda para agradar os outros, inevitavelmente vai atrair o tipo errado de pessoas, que só querem tirar vantagem de você. Aprenda a amar a si mesmo e ouvir suas próprias necessidades, e mantenha os amigos que não tentam pisar em você.

7. Deixar de lado aqueles que te machucam

Finalmente, você não deve insistir naqueles que não te ajudam a crescer e tornar-se o melhor de si. Talvez vocês tomaram caminhos diferentes na vida, e só precisam de uma pausa um do outro. As pessoas vêm e vão de nossas vidas o tempo todo, mas nunca sinta pena de deixar alguém que já não lhe ajuda a crescer.

Fonte do texto: Power of Positivity - Traduzido pela equipe do site: https://osegredo.com.br/2016/08/7-coisas-sobre-as-quais-voce-nao-precisa-se-estressar-mesmo-achando-o-contrario/

30 FRASES PARA VOCÊ LER QUANDO ESTIVER PENSANDO EM DESISTIR

Todo mundo já passou por um momento em que a ideia de desistir ficava martelando insistentemente na cabeça. Dúvidas fazem parte da história de praticamente qualquer pessoa, inclusive algumas das mais bem-sucedidas que conhecemos – e muitas delas têm um pouco a nos ensinar sobre isso.

São frases, pensamentos e algumas ideias quase soltas que nos ensinam porque nós devemos parar de reclamar e aprender a olhar pra frente.

1. “Se você não está disposto a arriscar, esteja disposto a uma vida comum.” – Jim Rohn

2. “Todos os seus sonhos podem se tornar realidade se você tiver coragem para persegui-los.” – Walt Disney

3. “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente. Quem sobrevive é o mais disposto à mudança.” – Charles Darwin

4. “Um homem de sucesso é aquele que cria uma parede com os tijolos que jogaram nele.” – David Brinkley

5. “Há dois tipos de pessoa que vão te dizer que você não pode fazer a diferença neste mundo: as que têm medo de tentar e as que têm medo de que você se dê bem.” – Ray Goforth

6. “O ponto de partida de qualquer conquista é o desejo.” – Napoleon Hill

7. “Todo progresso acontece fora da zona de conforto.” – Michael John Bobak

8. “Daqui a vinte anos, você não terá arrependimento das coisas que fez, mas das que deixou de fazer. Por isso, veleje longe do seu porto seguro. Pegue os ventos. Explore. Sonhe. Descubra.” – Mark Twain

9. “Nosso maior medo não deve ser o fracasso, mas ser bem-sucedidos em algo que não importa.” – Francis Chan

10. “Muitas das falhas da vida ocorrem quando não percebemos o quão próximos estávamos do sucesso na hora em que desistimos.” – Thomas Edison

11. “Coragem é a resistência ao medo, o domínio do medo – não a ausência do medo.” – Mark Twain

12. “Apenas deixe para amanhã o que você está disposto a morrer tendo deixado de fazer.” – Pablo Picasso

13. “Se você quer fazer uma mudança permanente, pare de se focar no tamanho de seus problemas e comece a focar no seu tamanho.” – T. Harv Eker

14. “Se você não tiver seu próprio plano de vida, é provável que caia no plano de alguma outra pessoa. E adivinha o que eles planejaram para você? Não muito.” – Jim Rohn

5. “A vida é uma viagem e se você se apaixona pela jornada, você estará apaixonado para sempre.” – Peter Hagerty

16. “Muito do estresse que as pessoas sentem não vem de ter muito o que fazer. Ele vem de não terminar o que foi começado.” – David Allen

17. “Se você procura sua realização nos outros, você nunca será realizado. Se sua felicidade depende de dinheiro, você nunca será feliz consigo mesmo. Se contente com o que você tem; fique feliz com a maneira como as coisas são. Quando você perceber que não está faltando nada, o mundo pertence a você.” – Lao Tzu

18. “A arte de viver está menos em eliminar nossos problemas do que em crescer com eles.” – Bernard M. Baruch

19. “A felicidade não é uma estação em que você chega, mas uma maneira de viajar.” – Margaret Lee Runbeck
 
20. “A verdadeira felicidade não é alcançada através da auto-gratificação, mas através da fidelidade a um propósito digno.” – Helen Keller

21. “Todos nós recebemos relatórios de muitas maneiras diferentes, mas a verdadeira emoção do que você está fazendo está em fazê-lo. Não é o que você vai conseguir no final, é realmente em fazer, e amar o que você está fazendo.” – Ralph Lauren

22. “Faça algo que ame e você nunca mais precisará trabalhar na vida.” – Willie Hill

23. “A ansiedade é a vertigem da liberdade.” – Soren Kierkegaard

24. “Faça o que você sempre fez e você terá sempre o mesmo resultado.” – Sue Knight

25. “Nós evitamos as coisas das quais temos medo porque pensamos que haverão consequências desastrosas se as confrontarmos. Mas a verdadeira consequência desastrosa em nossas vidas vem de evitar coisas sobre as quais nós precisamos aprender ou descobrir.” – Shakti Gawain

26. “Muito melhor é arriscar coisas grandiosas para ganhar vitórias gloriosas – mesmo que estampadas pelo fracasso – do que se alinhar com aqueles espíritos pobres que nem aproveitam muito nem sofrem muito, porque vivem em uma penumbra cinzenta que não conhece nem a vitória nem a derrota.” – Theodore Roosevelt

27. “Eu não sei a chave para o sucesso, mas a chave para o fracasso é tentar agradar a todos.” – Bill Cosby

28. “O primeiro passo em direção ao sucesso é dado quando você se recusa a ser um prisioneiro do ambiente em que estava inicialmente.” – Mark Caine

29. “Sempre que você se encontrar ao lado da maioria, é tempo de fazer uma pausa e refletir.” – Mark Twain

30. “Se você ouve uma voz dentro de você dizer ‘você não pode pintar’, então pinte sem dúvida, e essa voz será silenciada.” – Vincent Van Gogh

Fonte do texto: http://www.sentimentosemfrases.com/30-frases-para-voce-ler-quando-estiver-pensando-em-desistir/

8 hábitos tóxicos que estão destruindo a sua felicidade

Acredite ou não, você está sabotando sua própria felicidade todos os dias. Mas você pode mudar isso. Aqui estão 8 coisas que estão destruindo a sua felicidade, as quais você pode eliminar de sua vida com um pouco de esforço.

1. Ler mentes

Pensamentos como "Ela deve me achar tão estúpida", ou "Eles devem estar tão entediados agora" entram na mente da maioria das pessoas ao longo do dia. Esses pensamentos não representam necessariamente a verdade, mas, na cabeça delas, são feitas suposições sobre o que outras pessoas estão pensando.

A menos que você seja um vampiro que brilha ao sol, você realmente não consegue saber o que as outras pessoas estão pensando. Não pense que você saiba o que está acontecendo na cabeça delas. Mas, se você quer fazer isso, então pressuponha que elas estejam pensando o melhor de você. Comunique abertamente. E, acredite ou não, você não é tão importante como pensa que é; elas provavelmente estão pensando em suas próprias inseguranças e não em você.

2. Acusar

Tornar as circunstâncias ou as outras pessoas a causa de seus problemas é uma viagem rápida à infelicidade. Você nunca será capaz de controlar as coisas terríveis que acontecem com você ou as ações dos outros.

No entanto, você tem controle sobre si mesmo e suas reações. O renomado piloto da força aérea e líder religioso Dieter Uchtdorf disse certa vez: "Quanto mais velhos ficamos, mais olhamos para trás e nos damos conta de que as circunstâncias externas realmente não importam nem determinam nossa felicidade." A felicidade é uma decisão, e cabe a você optar por ela.

3. Ser alguém que não é

Eu costumava pedir desculpas por um monte de coisas. "Desculpe pela bagunça que está a minha casa", "Desculpe por ter dito isso". Um dia, percebi que se eu realmente lamentasse pela maioria das coisas pelas quais estava me desculpando todos os dias, eu não as teria feito. Eu teria limpado meu apartamento ou eu não teria dito aquilo.

O estresse de tentar parecer alguém que eu não era não foi muito bom para minha felicidade. Em vez disso, tentei me libertar. "Seja você mesmo" pode ser o conselho mais difícil de todos. Porque, quem é "você mesmo" afinal? Pois quanto mais você se descobrir e deixar essa pessoa sentir-se livre, mais feliz você será.

4. Comparar-se

Na era da mídia social, é fácil haver muitas coisas com quais nos comparar. Nossas roupas não são tão bonitas como as roupas das meninas do Pinterest, não somos tão viajados como as pessoas que seguimos no Instagram, e os nossos relacionamentos não bradam "FOFO!" como os de 80% dos nossos amigos do Facebook.

E não há um meio de manter uma "vida incrível" como a dos famosos que você vê na mídia. O fato é que alcançar essas coisas não irá torná-lo mais feliz. No entanto, ansiar por elas certamente o tornará infeliz. Gratidão é o antídoto para a comparação. Crie o hábito de listar diariamente todas as coisas incríveis que há em sua própria vida, e você será uma pessoa feliz.

5. Prever o futuro

Eu tinha o mau hábito de imaginar todos os resultados possíveis de uma situação. Às vezes, os resultados estavam bem longe de ser positivos. Por um tempo, eu não havia percebido como era ruim fazer aquilo. Eu apenas estava me preparando para possíveis realidades. Somente há poucos anos fui perceber que aquilo era pensamento negativo.

Quando imagina futuros terríveis, você cria estresse e ansiedade desnecessários em sua vida. Quando se pega "prevendo" que ninguém irá conversar com você na festa, ou você vai misturar todas as palavras em seu discurso, lembre-se de que você é o autor de seu futuro, e a pior das hipóteses raramente acontece.

6. Criar falsas expectativas

No romance de John Green "Cidades de Papel", um personagem diz: "Sabe qual é seu problema, Quentin? Você espera que as pessoas não sejam elas mesmas." O personagem, em seguida, explica que você não pode ficar bravo quando as pessoas não fazem as coisas do jeito que você acha que elas deveriam fazer.

Se seu amigo é do tipo que não aparece na hora certa, você não pode ficar frustrado com ele por isso. E se sua amiga não é do tipo que se preocupa e pergunta como você está, você não deve ficar irritado com isso também. Permita que as pessoas sejam elas mesmas, e você se sentirá livre da frustração quando elas não agirem de acordo com suas expectativas irreais.

7. Odiar fracassar

Não estou dizendo que fracassar não doa ou que a rejeição não seja como um soco no estômago. Estou querendo dizer que você deve mudar sua perspectiva em caso de fracasso. E tenho duas citações que podem oferecer essa nova perspectiva:

A primeira resultou de uma pergunta feita por um repórter a Thomas Edison a respeito da invenção da lâmpada incandescente. Ele respondeu: "Eu não falhei. Apenas descobri dez mil maneiras que não funcionam." A falha foi apenas parte do caminho para o sucesso.

A segunda é uma citação anônima: "Minha querida, você está autorizada a falhar sem ser um fracasso." Só porque você não teve sucesso em alguma coisa, não quer dizer que isso irá defini-lo.

Mude sua concepção de fracasso, e você será uma pessoa mais feliz.

8. Viver em outra época

Você pode, também, estar preso ao passado ou vidrado no futuro. Apegar-se ao passado não irá trazê-lo de volta, e à espera de ser feliz em alguma data futura é apenas adiar a felicidade que você pode ter agora.

Se você esperar para ser feliz até terminar a faculdade, casar-se ou conseguir um novo emprego, sua felicidade estará sempre fora de alcance. Em vez disso, escolha ser feliz agora. A vida não é a respeito de terminar as coisas, mas de desfrutar os momentos. Não lamente pelo biscoito comido, e não espere até acabar de comer para apreciá-lo; desfrute cada mordida no momento.

Fonte do texto: Traduzido e adaptado por Erika Strassburger - via: https://www.familia.com.br/11282/superacao/8-habitos-toxicos-que-estao-destruindo-a-sua-felicidade

ENCERRANDO CICLOS...

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos - não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. 

Foi despedido do trabalho? Terminou uma relação? 
Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país? 
A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações? 

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu. Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado. 

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração - e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. 

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.
Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará. 

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é.

(Fernando Pessoa)

LIVRE-ARBÍTRIO

Você já ouviu, alguma vez, falar de livre-arbítrio? 

Livre-arbítrio quer dizer livre escolha, livre opção. 

Em todas as situações da vida, sempre temos duas ou mais possibilidades para escolher. 

E a cada momento a vida nos exige decisão. 

Sempre temos que optar entre uma ou outra atitude. 

Desde que abrimos os olhos, pela manhã, estamos optando entre uma atitude ou outra. 

Ao ouvir o despertador podemos escolher entre abrir a boca para lamentar por não ser nosso dia de folga ou para agradecer a Deus por mais um dia de Oportunidades. 

Ao encontrarmos o nosso familiar que acaba de se levantar, podemos escolher entre resmungar qualquer coisa, ficar calado, ou desejar, do fundo da alma, um bom dia. 

Quando chegamos ao local de trabalho, podemos optar entre ficar de bem com todos ou buscar o isolamento, ou, ainda, contaminar o ambiente com mau humor. 

Conta um médico que trata de pacientes com câncer, que as atitudes das pessoas variam muito, mesmo em situações parecidas. 

Diz ele que duas de suas pacientes, quase da mesma idade, tiveram que tirar um seio por causa da doença. 

Uma delas ficou feliz por continuar viva e poder brincar com os netos, a outra optou por lamentar pelo seio que havia perdido, embora também tivesse os netos para curtir. 

Quando alguém o ofende, você pode escolher entre revidar, calar-se ou oferecer o tratamento oposto. 

A decisão sempre é sua. 

O que vale ressaltar é que todas as ações terão uma reação correspondente, como conseqüência.

E essa reação é de nossa total responsabilidade. 

E isso deve ser ensinado aos filhos desde cedo. 

Caso a criança escolha agredir seu colega e leve uns arranhões, deverá saber que isso é resultado da sua ação e, por conseguinte, de sua inteira responsabilidade. 

Tudo na vida está sujeito a lei de causa e efeito, para uma ação positiva, um efeito positivo, para uma ação infeliz, o resultado correspondente. 

Se você chega no trabalho bem humorado, alegre, radiante, e encontra seu colega de mau humor, você pode decidir entre sintonizar na faixa dele ou fazer com que ele se sintonize na sua. 

Você tem ainda outra possibilidade e escolha: ficar na sua. 

Todavia, da sua escolha dependerá o resto do dia. 

E os resultados lhe pertencem. 

Jesus ensinou que a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória. 

Pois bem, nós estamos semeando e colhendo o tempo todo. 

Se semeamos sementes de flores, colheremos flores, se plantarmos espinheiros, colheremos espinhos. 

Não há outra saída. 

Mas o que importa, mesmo, é saber que a opção é nossa. Somos livres para escolher, antes de semear. 

Aí é que está a justiça Divina. 

Mesmo as semeaduras que demoram bastante tempo para germinar, um dia darão seus frutos. São aqueles atos praticados no anonimato, na surdina, que aparentemente ficam impunes. 

Um dia, eles aparecerão e reclamarão colheita. 

Igualmente os atos de renúncia, de tolerância, de benevolência, que tantas vezes parecem não dar resultados, um dia florescerão e darão bons frutos e perfume. 

É só deixar nas mãos do jardineiro Divino, a quem chamamos de Criador. 

Pensem nisso! 

-Autor Desconhecido

CONFIE DESCONFIANDO... DECEPÇÃO PODE VIR DE QUEM NÃO ESPERAMOS!

 Sim, decepção pode vir de quem não esperamos! Eu tenho um coração mole. Desses que apanham, mas não deixam de acreditar. Um coração cap...